Universidade Federal do Rio Grande do Sul  

COMBATENDO A EVASÃO ESCOLAR Santa Maria/RS

(fonte: Programa de Gestão Pública e Cidadania, 1998, FGV/SP )  

Andréa de Oliveira Silva

Adalberto de Oliveira Brandão  

 

INTRODUÇÃO  

O Município de Santa Maria, situado geograficamente no centro do Estado do Rio Grande do Sul, caracteriza-se como um pólo regional, em função de ser um centro comercial de prestação de serviços, centro estudantil e centro militar do Estado.

Com aproximadamente 226.300 habitantes, Santa Maria vem apresentando um acréscimo significativo da população, a cada ano letivo, em função do fluxo de estudantes a procura do ensino em todos os níveis de graduação.

A rede municipal é composta de 72 escolas, destas, 06 (seis) tem 1º grau completo com turno noturno, 20 (vinte) com 1º grau completo sem o turno noturno, 16 (dezesseis) escolas rurais isoladas, 07 (sete) escolas rurais núcleos, 19 (dezenove) escolas com 1º grau incompleto e 04 (quatro) escolas de modalidades especiais.

A Rede Escolar Municipal tem 16.748 (dezesseis mil, setecentos e quarenta e oito) estudantes na zona urbana e 1.603 (mil, seiscentos e três) na zona rural.

MODALIDADES

ZONA RURAL

ZONA URBANA

TOTAL

Pré-Escola

111

1.055

1.166

1ª a 8ª Série

1.492

12.460

130952

Educação Especial

-

27

27

Noturno Supletivo

-

787

787

Noturno Regular

-

105

105

Noturno Escola Aberta

-

257

257

Escola Industrial

-

60

60

SUB – TOTAL

1.603

15.145

16.748

*Alunos Conveniados

-

1.200

1.200

**Alunos Pré-Escola  

atendidos pela SMBES

-

399

399

TOTAL

1.603

16.744

18.347

FONTE: Prefeitura Municipal de Santa Maria

* Convênios com Escolas Particulares

** Alunos atendidos pela SMBES, com professores da SMED.

Para essa demanda, apresenta em seu quadro funcional, 1.052 (mil e cinqüenta e dois) professores na zona urbana e 155 (cento e cinqüenta e cinco) professores na zona rural. Incluem-se ainda, 33 (trinta e três) orientadores educacionais, 09 (nove) educadores especiais e 07 (sete) educadores técnicos.

No ano de 1996, o índice de evasão escolar estava em torno de 4,02% entre os alunos da rede municipal o que fez com que em janeiro de 1997 a Secretaria de Município da Educação implantasse o Projeto Combatendo a Evasão Escolar. Em seu primeiro ano de funcionamento esse índice diminui em 66%, ficando em torno de 1,34%. Em 1998, alcança o índice de 0% de evasão escolar.

A visita de campo ora relatada visa descrever detalhadamente o projeto Combatendo a Evasão Escolar e seus resultados na comunidade de Santa Maria.    

 

PROBLEMA QUE O PROJETO VISA SOLUCIONAR  

No Brasil, de acordo com o Ministério da Educação e Cultura, a reprovação e o abandono atingem 27% dos alunos ou seja, em cada 100, 27 são reprovados ou deixam a escola. Esse índice é resultado de fatores como a incapacidade das escolas fazerem o aluno progredir adequadamente ou ainda falta de estratégias para que o mesmo permaneça no sistema.

Na Região Sul do País, o índice de abandono fica em torno de 7% no ensino fundamental e 15% no ensino médio. Já a taxa de reprovação fica em torno de 15% no ensino fundamental e 12% no ensino médio.

Santa Maria apresentava índice de evasão escolar de 4,02% na Rede de Ensino Municipal em 1996, conforme demonstrado na tabela abaixo:

 

ANO

MATRÍCULA 

ALUNOS  EVADIDOS

%

1992 1993 1994 1995 1996

16.939 15.331 18.482 17.420 16.480

992 683 907 704 640

5,85 4,45 4,90 4,04 4,02

FONTE: Secretaria de Município da Educação de Santa Maria (RS)

 

Para resolver esse problema, a Secretaria de Município da Educação, criou o Projeto Combatendo a Evasão Escolar, no mês de janeiro de 1997.

  FORMA DE ENFRENTAMENTO DO PROBLEMA

No início de 1997, quando era definida a equipe de Supervisão Pedagógica da SMED – Secretaria Municipal de Educação, o Secretário de Município da Educação, apresentou ao grupo o objetivo central da Secretaria: reduzir os altos índices de repetência e de evasão escolar nas escolas da Rede Municipal de Ensino de Santa Maria.

Primeiramente, lançou-se mão de estratégias que freassem, de modo rápido e eficaz, o processo de evasão escolar. Objetivava-se naquele momento, detectar os casos de evasão e reintegrar o aluno à comunidade escolar.

Nessa fase, teve-se o início de um longo processo de reflexão / ruptura no fazer pedagógico das escolas, focalizando a análise das causas do problema.

Admitida a relação diretamente proporcional entre a evasão e repetência, procedeu-se a identificação junto as escolas, das variáveis causais, desencadeadoras do fracasso escolar, dentre as quais se destacou a relação professor / aluno / conhecimento na sala de aula.

No entanto, era necessário resgatar urgentemente os alunos evadidos. Inicialmente operacionalizou-se os seguintes procedimentos: foi verificado se as escolas estavam despertando o interesse dos alunos no processo de ensino/aprendizagem e se seus educadores ofereciam respostas às ansiedades e dúvidas dos seus educandos; passou-se a trazer às escolas, sempre que possível os pais e/ou responsáveis e dos alunos para conscientização quanto a importância dos estudos formais; motivou-se todos os educadores em torno do objetivo "combater a evasão escolar"; passou-se a contatar com os pais e/ ou responsáveis pelos alunos que estivessem com mais de dez faltas , consecutivas ou não; informou-se aos pais e/ou responsáveis sobre o número máximo de faltas permitidas durante o ano letivo, conforme a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional; alertou-se aos pais e/ou responsáveis quanto as penalidades previstas em Lei (Estatuto da Criança e do Adolescente) pela não permanência de seus filhos na escola (abandono intelectual); e realizou-se até três tentativas de conversação com os pais e/ou responsáveis pelos alunos em vias de evasão escolar. Nos casos que se esgotassem os recursos anteriores, comunicar o caso à supervisão de combate a evasão escolar da Secretaria de Município da Educação.

Para esse fim foi destinada uma profissional especializada que passou a realizar visitas sistemáticas às escolas para com o objetivo de acompanhar a assiduidade dos alunos, visitas às famílias de alunos que se encontram em processo de evasão escolar. Buscou-se a integração entre os Conselhos Tutelares, o Poder Judiciário (Vara da Infância e Juventude) e Secretaria de Educação do Município.

Concomitantemente, inúmeras estratégias foram propostas e discutidas pela equipe de supervisão da Secretaria da Educação Municipal, entre as quais se destacaram: investimento no papel central do Supervisor Pedagógico, como articulador privilegiado das relações entre os membros da comunidade escolar no trabalho de construção / concretização da proposta pedagógica da escola; e o incentivo à formação continuada dos profissionais de cada área do conhecimento, visando-se, à problematização de sua prática docente.

Assim, trabalhando-se junto aos professores de cada área, concretizou-se a proposta das Oficinas de Ensino. Concebidas como um meio de transformação do trabalho didático-pedagógico, as oficinas consistem em vias de mão dupla, ao redimensionarem, por um lado, a relação teoria / prática e, por outro, a relação professor/aluno. Estes espaços foram privilegiados por configurar um contexto que favorece a compreensão dos mecanismos de construção do conhecimento formalizado pela humanidade, o que se sustenta em uma concepção de escola como um lugar em que, a partir do saber cotidiano (o aluno pode expô-lo, defendê-lo como legítimo), caminha-se, de forma reflexiva e, portanto, significativa rumo ao saber formal.

Está inserido nessa proposição o pressuposto de interdependência e de determinação mútua entre os fatores do processo interativo de construção do conhecimento em sala de aula. Percebe-se pois, que o afetivo (sobretudo a auto-estima, o auto-conhecimento) e o sócio-cognitivo são aspectos firmemente considerados como facetas do ser humano, no pensar e equacionar o problema da evasão escolar em Santa Maria.

Destaca-se, com veemência, nesse processo, o funcionamento do que se pode denominar de Rede Integrada de Atendimento Escolar. Composta de vários projetos educacionais, lúdicos, profissionalizante, esportivos e artísticos, apresentados mais sucintamente no sumário do projeto, neste relatório.  

  RESULTADOS OBTIDOS  

Já no ano de sua implantação, o projeto conseguiu reduzir o índice de evasão escolar de 4,02% para 1,35% e neste ano de 1998, a 0%, conforme podemos observar na tabela a seguir:
 

ANO

MATRÍCULA 

ALUNOS EVADIDOS

%

1992 1993 1994 1995 1996

16.939 15.331 18.482 17.420 16.480

992 683 907 704 640

5,85 4,45 4,90 4,04 4,02

1997

17.471

235

1,35

1998

16.748

0

0

 fonte: Prefeitura Municipal de Santa Maria

 

SUMÁRIO DO PROJETO                              

O Projeto Combatendo a Evasão Escolar busca através de várias ações e estratégias integradas extinguir a evasão escolar no Município de Santa Maria/RS.

 
Objetivos:

O objetivo geral do Projeto Combatendo a Evasão Escolar é "promover o acesso e a permanência de alunos nas Escolas da Rede Municipal de Ensino de Santa Maria". Para alcançar esse objetivo, desenvolve os seguintes objetivos secundários:

 
Métodos:

Para a execução do Projeto Combatendo a Evasão Escolar foram implantadas estratégias específicas de ação no combate à evasão escolar, tais como: palestras nas escolas municipais (figura 02, em anexo), reunindo equipe diretivas, professores, alunos e pais e/ou responsáveis, no intuito de conscientizar quanto a necessidade do combate à evasão escolar; contato com o aluno que se encontra em processo de evasão escolar; visita aos pais e/ou responsáveis de alunos que se encontram em processo de evasão escolar (figura 01, em anexo), convocando-os às reuniões para tratar do caso específico do aluno; visita da supervisora aos pais e/ou responsáveis que não compareceram à escola, via convocação (figura 03, em anexo); retorno à residência dos pais e/ou responsáveis em companhia de um aluno da escola para reconhecimento dos mesmos, nos casos em que os pais não tenham se assumido como responsáveis pelos alunos; recorre-se aos Conselhos Tutelares para apoio na tentativa de resgate do aluno à escola, quando não se obteve sucesso anteriormente; e finalmente, ação junto à Vara da Infância e da Juventude, caso nenhuma providência anterior tenha tido resultado positivo, para acionar judicialmente os pais e/ou responsáveis pelo aluno.

Por entender que apenas resgatar crianças e adolescentes - em via de evasão escolar ou evadidos - às escolas da rede municipal, sem apresentar alternativas que despertassem o interesse dos jovens em estarem vinculados à escola formal, criou-se uma Rede Integrada de Atendimento Escolar.

Essa rede de atendimento apresenta alternativas que garantem o apoio social aos adolescentes e crianças em situação de risco através de atividades com cunho artístico, esportivo, profissionalizante, e lúdico, fomentadoras da auto-estima. Desta forma, pode-se afirmar que o Projeto de Combate à Evasão Escolar de Santa Maria prevê um acompanhamento que ultrapassa a simples ação de "resgatar" os discentes para dentro das escolas.

A rede é composta dos seguintes projetos:

ESCOLAS ABERTAS: Escolas que têm como objetivo oferecer ensino fundamental às crianças e adolescentes em situação de risco, sem limite para data ou época de ingresso, auxiliando assim retorno de evadidos.

Um dos aspectos fundamentais da Escola é a educação pelo trabalho, onde é oportunizado às crianças e adolescentes a criação e dinamização de seu projeto de vida com seriedade e dignidade.

O aluno é avaliado diariamente através da observação que permite acompanhar o desenvolvimento em diferentes situações de aprendizagem, evidenciando mudança de comportamento, atitudes, hábitos, respeito, valores, conhecimento, participação, organização e conteúdos. O resultado da avaliação é comunicado aos pais, no final de cada trimestre, através de parecer descritivo.

As Escolas Abertas têm as seguintes atividades: técnicas agrícolas , jardinagem, cultivo de ervas medicinais, artesanato, datilografia, inglês.

 

ESCOLAS – NÚCLEO RURAIS: Tem por objetivo principal oferecer às comunidades rurais o ensino básico (educação infantil e ensino fundamental) através do agrupamento de pequenas escolas unidocentes em uma escola núcleo que tem por finalidade: proporcionar uma educação básica de melhor qualidade, adequada à realidade do meio rural; oportunizar um efetivo programa de educação pelo trabalho e para o trabalho; contribuir para autopromoção do homem no campo a partir do seu contexto sócio-cultural, incentivando sua fixação nesse meio; estimular a organização da população rural e sua participação consciente no desenvolvimento sócio-econômico e cultural da comunidade, valorizando a melhor utilização dos recursos disponíveis do meio.

ENSINO SUPLETIVO: Oferecido por quatro escolas no turno da noite, tendo como objetivo oportunizar a continuidade dos estudos formais, de maneira mais acelerada, a adolescentes e adultos que se encontram fora da faixa etária do ensino regular.

ENSINO PROFISSIONAL (EMAI): Escola que tem por objetivo oferecer à adolescentes, regularmente matriculados nas escolas municipais, a oportunidade de profissionalização, incentivando-se a permanência do aluno na escola regular. Possui as seguintes atividades: eletricidade predial e industrial, serralheria , tornearia  e desenho industrial . Este projeto é desenvolvido em parceria com o SENAI – Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial e Rede Ferroviária Federal S/A.

 

INTERVENÇÃO DE EDUCADORES ESPECIAIS E ORIENTADORES EDUCACIONAIS NAS SÉRIES INICIAIS: Tem por objetivos ajudar a solucionar problemas de crianças com dificuldades de aprendizagem, socialização e disciplina, favorecendo a permanência do educando na escola; realizar um trabalho preventivo e alternativo nas escolas da Rede Municipal de Ensino com o objetivo de prevenir a reprovação e a evasão escolar; sensibilizar os professores do ensino regular para atuarem na educação integradora, numa perspectiva de escola inclusiva, proporcionando aos alunos uma escola moderna, democrática e verdadeiramente cidadã. O trabalho proposto é desenvolvido pelo educador especial como serviço de apoio, orientando o professor de classe ou atuando diretamente com o aluno, quando necessário.

Este atendimento refere-se a um trabalho específico, realizado em parceria entre o educador especial, professor de classe regular, orientador educacional e supervisor pedagógico. Esta parceria é aspecto relevante para a efetivação deste trabalho, pois é através dessa ação conjunta entre estes profissionais que se proporciona uma melhor compreensão das características dos alunos, evitando que crianças com potencial "normal", tornem-se futuros deficientes funcionais.
 

PROJETO ESCOLA DE CANOAGEM: Realizado juntamente com o Clube Náutico Comercial, tem por objetivo oportunizar aos alunos das escolas municipais de Santa Maria a prática do esporte saudável, atividades de conscientização ambiental, através do cuidado e da preservação da barragem de Santa Maria, bem como momentos de recreação e lazer, ilustrados pelas figuras 09 e 10.

Atualmente tem 16 adolescentes inscritos e freqüentando três vezes por semana este projeto. Estes adolescentes encontravam-se em rota de evasão escolar a alguns apresentavam problemas comportamentais dentro das escolas e na comunidade. Percebeu-se que após serem inseridos neste projeto os problemas foram deixando de existir. Um dos adolescentes que mais apresentava comportamento não aceitável socialmente, ao ser vinculado nesse Projeto "regularizou" seu comportamento, inclusive já tendo destaque estadual nesse esporte.

Imagem 1

 
PROJETO EVASÃO X MÍDIA: trata-se do intercâmbio entre os meios de comunicação de Santa Maria e a Secretaria de Município da Educação com o fim de divulgar o trabalho de combate à evasão escolar. Duas vezes ao mês a coordenadora do Projeto Combatendo a Evasão Escolar, ocupa um espaço no programa Espaço Aberto da Rádio Imembuí, onde além de divulgar o Projeto, esclarece a comunidade quanto da importância do Projeto.
 

PROJETO EVASÃO ESPORTE: Objetiva incentivar a criança e o adolescente a praticar atividades esportivas, integrando todas as escolas da Rede Municipal de Ensino através da realização de campeonatos para todas as modalidades de escolas da rede municipal.
 

PROJETO "O JUDÔ COMO PRÁTICA EDUCATIVA": Realizado em parceria com a Universidade Federal de Santa Maria, tendo por objetivo introduzir o estudo e a prática do judô educativo nas escolas municipais.
 

PROJETO "CAPOEIRA NA COMUNIDADE": objetiva oportunizar um maior conhecimento da cultura brasileira e estimular o espírito de grupo e a cooperação, a lealdade e o respeito pelos semelhantes. É realizado em parceria com a Universidade Federal de Santa Maria.
 

A "DANÇA NA CONSTRUÇÃO DE UM NOVO AMANHÃ": Projeto que objetiva oportunizar às crianças e adolescentes das camadas menos favorecidas da sociedade vivenciar a arte do ballet clássico e despertar a consciência do corpo como agente nas transformações humanas.

Projeto executado em parceria com a Royale Escola de Dança e Integração Social, entidade civil, sem fins lucrativos. Atende atualmente 60 (sessenta) crianças e adolescentes de 5 (cinco) escolas municipais, oferecendo, além de aulas de ballet, apoio psico-pedagógico e Oficina de Leitura, visando estimular o bom rendimento escolar através da música, da literatura e da dança, como demonstrado pela figura 16. Nesta perspectiva, a prática do ballet clássico é a base para todas as outras danças, que além do exercício físico promove o desenvolvimento do raciocínio, da disciplina, do ritmo musical, da postura correta e da socialização.

 

PROJETO "A ESCOLA CANTA": É desenvolvido em doze Escolas da Rede Municipal de Ensino. Para participar do projeto, os alunos devem estar matriculados e apresentar freqüência regular nas respectivas Escolas, onde um professor responsável coordena os ensaios sob a orientação de uma regente de corais. Iniciou em março de 1998, quando foram formados os três primeiros corais. Em junho de 1998, por ocasião do "II Congresso Internacional de Educação Infantil do Mercosul/OMEP", esses grupos tiveram a oportunidade de realizar apresentação aberta à Comunidade de Santa Maria.

Objetiva resgatar a música em sala de aula, bem como a formação de grupos de música em cada escola, proporcionando ao educando o desenvolvimento da cultura, a sensibilidade pela música e a sua atuação integral na vida, bem como favorecer o desenvolvimento do senso rítmico, desenvolver a sensibilidade auditiva, estimular a socialização e trabalhar a emoção e a auto-estima, e ao educador, o incentivo ao interesse e o aprimoramento musical estimulando um desempenho autônomo e criativo.  

GRUPOS DE APOIO PEDAGÓGICO NAS DIFERENTES ÁREAS DE CONHECIMENTO: Esses grupos são formados por professores da Rede Municipal de Ensino dispostos em suas respectivas áreas do conhecimento, coordenados por um Supervisor da SMEd. Os grupos promovem reuniões semanais ou quinzenais, de acordo com a disponibilidade de horários. Foram organizados em função da necessidade, diagnosticada pela equipe de supervisão da SMEd, de participação direta dos professores das diferenças áreas do saber, na proposta de trabalho dessa Secretaria.

Os Grupos estudam e discutem questões da educação geral e/ou específica a cada área; a partir de suas realidades, estabelecem estratégias de ação a serem executadas pelos Grupos nos encontros com os demais professores da Rede; e participam na elaboração de subsídios e assessoramento às escolas. Esses professores multiplicam experiências e idéias, atualizando e renovando os conhecimentos.

Com a dinâmica dos Grupos de Apoio, quer-se, sobretudo, propor uma constante ressignificação da abordagem metodológica, em todas as áreas do conhecimento, promovendo, ao mesmo tempo, a autonomia dos professores e das escolas na busca de um novo sentido na prática pedagógica.

 
CONVÊNIO FUNDAE : convênio firmado entre Prefeitura Municipal de Santa Maria e Fundação Educacional e Cultural para o Desenvolvimento e Aperfeiçoamento da Educação e Cultura visando atender alunos do 1º grau incompleto  com direcionamento para as atividades das áreas agropecuária  e agro-industrial .

Imagem 1         Imagem 2       Imagem 3  


 
  ORÇAMENTO ANUAL

De acordo com as informações disponibilizadas pela Prefeitura Municipal de Santa Maria o Projeto Combatendo a Evasão Escolar apresenta um gasto estimado em torno de R$50.000,00 (cinqüenta mil reais) anuais, incluindo gastos com recursos humanos, combustível, manutenção de veículo, material permanente, tais como: folhas, xerox, deslocamento de alunos, etc.  

 

ASPECTOS DE INOVAÇÃO DO PROJETO

O Projeto Combatendo a Evasão Escolar de Santa Maria apresenta como inovações a designação de um profissional especializado, específico para acompanhar e combater a evasão escolar, a parceria com os Conselhos Tutelares e a Vara da Infância e Juventude de Santa Maria, ação junto as famílias, bem como a complementariedade da rede de projetos educacionais voltados ao combate a evasão escolar.

Destaca-se a implantação e funcionamento da Rede Integrada de Atendimento Escolar, que objetiva desenvolver o aluno em seus aspectos: cognitivo, esportivo, artístico, profissional e social.

As crianças e/ou os adolescentes que entram em rota de evasão escolar são prontamente acompanhados por todos os educadores envolvidos e comprometidos com o ensino aprendizagem. O discente é inserido imediatamente em um dos projetos da rede, conforme as características da deficiência cognitiva e/ou social apresentada, que esteja prejudicando sua permanência na escola.

Existe interação constante entre os diversos projetos da rede, com trocas de informações a respeito da evolução do aluno com o intuito de um acompanhamento integral.

 

Resultados observados:

Observa-se que os objetivos iniciais do projeto foram alcançados, buscando-se agora a manutenção do índice zero de evasão escolar, através do acompanhamento constante dos alunos utilizando um sistema de informação eficiente.

O interesse dos alunos é significante nas atividades oferecidas pela rede de atendimento. Destaca-se o depoimento de um aluno que estava em vias de tornar-se um "adolescente evadido" e foi inserido no Projeto Escola de Canoagem: "antes de entrar na escola de canoagem, eu andava em más companhias, e faltava muito na escola, mas agora, só penso em treinar, e como não posso treinar aqui se não for à escola, não falto mais".

Na escola da FUNDAE, em conversa com um adolescente, este afirmou: "venho todos os dias a essa escola e fico muito triste nos finais de semana e férias porque não posso vir. Aqui, eu cuido da horta e aprendo marcenaria. Sinto-me importante como um trabalhador".

 

Sustentabilidade do Projeto:

 O Projeto de Combate a Evasão Escolar é basicamente mantido pela Prefeitura de Santa Maria, com a participação das instituições e/ou organizações que fazem parceria com a Prefeitura, a saber: Universidade Federal de Santa Maria, Conselho Tutelar, Vara da Infância e Juventude, Clube Náutico Comercial de Santa Maria, Royale Escola de Dança e Integração Social, SESI, FUNDAE etc. Por seu custo baixo e composição da Rede de Atendimento em parceria com entidades e/ou organizações, credita-se que o Projeto Combatendo a Evasão Escolar é altamente sustentável.

 

Forma de Gerenciamento do Projeto:

 
Verifica-se forte comprometimento do Executivo Municipal com o projeto, bem como do Conselho Tutelar e a Vara da Infância e Juventude de Santa Maria. As ações são articuladas e implementadas de forma coerente pelos diversos atores envolvidos sendo que o papel principal foi assumido pela Secretaria de Município da Educação, que executa as ações diretas de acompanhamento e resgate dos casos de evasão escolar. Mas observa-se o interesse efetivo de algumas organizações, entidades, associações e instituições que apoiam essa Secretaria através de parcerias, encontrando-se vários projetos em andamento de iniciativas de instituições e/ou entidades comunitárias.

 

Impacto do projeto no diálogo com a sociedade.

 Observa-se que o Projeto Combatendo a Evasão Escolar proporciona uma parceria concreta entre a administração municipal, Universidade Federal de Santa Maria, os Conselhos Tutelares, sistema Judiciário (Vara da Infância e Juventude) e outras organizações da sociedade.

Ressalta-se que o Projeto Escola de Canoagem partiu da iniciativa do presidente do Clube Náutico Comercial de Santa Maria, que diante da ociosidade do material esportivo durante a semana na maior parte do tempo, ofereceu à Secretaria de Município da Educação que imediatamente vislumbrou no fato a oportunidade de seus alunos desenvolverem esta atividade, nascendo assim esse projeto que atualmente atende 16 alunos da rede municipal.

A Rádio Imembui de Santa Maria, solidária ao Projeto de Combate à Evasão Escolar, cedeu espaço em seu programa "Espaço Aberto" quinzenalmente, para que a Coordenação do Projeto pudesse divulgá-lo.

O Projeto "A Dança na Construção de um Novo Amanhã", partiu da iniciativa da entidade Royale Escola de Dança e Integração Social, que disponibilizou 60 vagas para os alunos da rede municipal de Santa Maria.

Esses exemplos demonstram o grau de envolvimento da sociedade de Santa Maria com o Projeto Combatendo a Evasão Escolar e a receptividade da Secretaria de Município da Educação nesta participação. Caracterizando-se um gerenciamento democrático da rede integrada de atendimento escolar de combate a evasão escolar.

 
Viabilidade Externa do Projeto:
 

De acordo com a folha de São Paulo do dia 27 de julho de 1998, 2º caderno, página 1, o Brasil desperdiça R$ 4,7 bilhões com a evasão escolar somente no ciclo fundamental – 1ª a 8ª série. Este dado salienta a necessidade de se tratar do assunto com extrema seriedade.

A dinâmica do Projeto Combatendo a Evasão Escolar, desenvolvido no Município de Santa Maria, demonstra que com pouco investimento (R$50.000,00/cinquenta mil reais anuais) e em parceria com entidades, instituições e/ou organizações, pode ser repetido e implantado em qualquer outro município que deseja alcançar esse patamar privilegiado de evasão zero.

 

Conclusões:
 

O Projeto Combatendo a Evasão Escolar impressiona pelo impacto que gerou na questão da evasão escolar em curto espaço de tempo. Os resultados deixam claro que sua eficácia se deve principalmente ao empenho da Secretaria de Município da Educação em equacionar o problema.

Em menos de dois anos baixou a evasão escolar de cerca de 4,02% a 0%, resolvendo essa questão com um gasto anual que pode-se considerar baixo, avaliando-se o retorno social alcançado.

Ressalta-se a importância da rede de atendimento proporcionada aos adolescentes com atividades voltadas ao esporte, lazer, preparação ao trabalho, contato com a natureza, competição sadia e educativa e acima tudo incentivadoras da auto-estima dos educandos.

O Projeto Combatendo a Evasão Escolar revela que um projeto efetivo necessita ser inovador, ter comprometimento, ter ousadia e credibilidade da comunidade.

Esse projeto demonstra que é possível alcançar resultados altamente positivos com recursos bem utilizados, que refletem melhorias efetivas na qualidade de vida de uma sociedade.

Demonstra que com a parceria concretamente comprometida entre o Poder Público e Sociedade Civil, constatado em Santa Maria, é possível transformar qualitativamente a vida de indivíduos que já estavam sem expectativas de ter um direito básico garantido e/ou incentivado, o direito à Educação; ocasionando o desenvolvimento da cidadania de centenas de jovens e suas respectivas famílias.

Acima de tudo, esse Projeto privilegia a modificação da relação homem / conhecimento, como um meio de modificar as relações entre os seres humanos. Iniciando-se pela conseqüência (a evasão), busca-se agora, a ruptura com todos os fatores que desencadearam o problema. Daí a proposta como uma verdadeira opção político-pedagógica, e não apenas didática, dentro de uma concepção de educação como um processo em que o sujeito constrói a história ao construir sua própria identidade. Percebe-se que para isso a escola foi convertida em um espaço privilegiado para o exercício da cidadania. E cidadania é justamente uma inserção concreta, verdadeira, fundamentada, do sujeito no mundo. É o próprio direito de participar da construção do mundo.

 

Volta à Página Anterior